Lana Bittencourt – Show de Despedida

ITÁLIA EM SP
LANA BITTENCOURT FAZ SHOW DE DESPEDIDA NO TEATRO

lana-bittencourt-60anos-teatro-talia

    Desde menina já era apreciada por cantar nas festas familiares e em casa de vizinhos e amigos da família. Antes de escolher a carreira artística, cursava línguas anglo-germânicas na Faculdade de Filosofia. Abandonou o curso para ser cantora em 1954, estreando nesse mesmo ano na Rádio Tupi, do Rio de Janeiro, transferindo-se depois para a Rádio Mayrink Veiga. Logo gravou um “jingle” que fez muito sucesso na época. No mesmo ano, já gravaria seu primeiro disco em 78 RPM, com as músicas “Samba da noite”, (Luís Fernando e Wilton Franco) e “Emoção” (Emanuel Gitahy e Wilson Pereira). Logo depois foi contratada pela Rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro. Nessa época, excursionou pelo interior do Brasil. Sempre se destacou pela capacidade de cantar em vários idiomas, o que lhe valeu um prefixo nas rádios: Lana Bittencourt, “A internacional”. A maior parte de seus discos foram gravados na Colúmbia. Em 1954, chegou a ter um programa, exclusivamente seu, na TV Paulista (canal 5 de SP), que tinha a duração de 30 minutos. Lançou o primeiro LP, “Lana Bittecourt”, em 1957. No ano seguinta lançou “Lana Em Musicalscope”, que trazia a música “Se alguém telefonar”, de Alcir Pires Vermelho e Jair Amorim e, além de outras, um de seus grandes sucessos, a música “Little darling”, de Williams. Em 1960 lançou o LP “Sambas do Rio”, com músicas de Luís Antônio (“Amor… amor”, “Chorou, chorou”) e de Tom Jobim (“Corcovado”). Em 1962 gravou o LP “Exaltação ao Samba”, com as músicas “Exaltação à Bahia”, de Vicente Paiva e Chianca de Garcia e “Os quindins de Iaiá”, de Ary Barroso (este LP foi reeditado em CD, com o nome de “Exaltação à Bahia”). Em 1963 foi a vez do LP “O sucesso é Lana Bittencourt”. Em 1965, ainda gravou o LP “Lana no 1800”, com as músicas “Castigo”, de Dolores Duran, “Ma vie” e “Au revoir”, ambas de Alain Barrière, Vidalin e Bécaud. Trabalhou no cinema, nos filmes Chofer de Praça, As Aventuras de Pedro Malasartes e Jeca Tatu, todos com Mazzaroppi. Sua carreira discográfica diminuiu nos anos seguintes, mas ainda gravou os discos “Jubileu de Prata” em 1982 e “Karma Secular”, em 1987. Em 1998, teve lançado pela Polydisc um CD com gravações inéditas de seus maiores sucessos. Em 2013 lançou o CD e DVD “A Diva Passional Ao Vivo”, produzido pelo jornalista Rodrigo Faour. Com voz incrivelmente bem conservada em timbre e potência, Lana Bittencourt continua em atividade, fazendo shows em diversos locais do Brasil.

Agora apresenta no Teatro Itália em única apresentação um show especial de despedida encerrar sua carreira em grande estilo, com a participação carinhosa de amigos, como Angela Maria, Agnaldo Timóteo, Edith Veiga, Márcio Gomes e outros.

Ingressos:

Inteira R$ 60,00

Meia: R$ 30,00