E o Vento vai levando tudo embora

Ministério da Cultura e Renner
apresentam a comédia romântica

“E o vento vai levando tudo embora”

com

Gabriel Chadan, Josie Pessôa e Juliano Laham
Texto e Direção deRegiana Antonini
Direção de Produção: Bruna Dornellas e Wesley Telles

eoventovailevando

Todo mundo teve ou tem um grande amigo que em determinado momento se afasta e deixa muita saudade. Você já passou por isso?

“E o Vento vai levando tudo embora” é a história de dois melhores amigos, irmãos de alma, que pelo destino da vida acabam se apaixonando pela mesma mulher.A grande dúvida da peça é o questionamento: O que vale mais a pena, o valor do amor entre um homem e uma mulher ou de uma amizade verdadeira? Uma grande lição de vida, de forma lúdica, bem humorada e sensível, um espetáculo para todas as idades e tribos.

Escrito e dirigido por Regiana Antonini, “E o Vento Vai Levando Tudo Embora” é a segunda obra da trilogia autoral livremente inspirada na canção “Vento no Litoral”, de Renato Russo, iniciada com o texto“Aonde está você agora?”,de 1995, que alcançou o sucesso em suas nove montagens, inclusive no exterior. No palco, um trio de jovens talentos como protagonistas: Gabriel Chadan, o intérprete de Robinson Rocha na novela A Lei do Amor, Josie Pessôa, que esteve em Império, novela que levou o Emmy Internacional, e Juliano Laham, o Rômulo da atual temporada de Malhação – Pro Dia Nascer Feliz.

Em “E o vento vai levando tudo embora”, a autora retoma o valor da amizade – iniciado em “Aonde está você agora?” – entre Gabriel (Juliano Laham) e Pedro (Gabriel Chadan), melhores amigos que sofrem uma separação quando Gabriel se muda para Nova York deixando seu irmão de vida em Vila Velha, numa praia rodeada de águas límpidas e areias douradas no Estado do Espírito Santo.

Na peça,a força desta amizade vence a separação de dez anos e as mudanças que esses dois personagens sofreram durante esse período. Mas o reencontro traz uma nova provação: a paixão por uma mesma mulher, Bia (Josie Pessôa).

Na época em que a primeira parte da peça se passa a internet não era tão acessível como hoje. Amigos de alma, eles se comunicavam através do Livro da Sorte, uma espécie de livro mágico – um pensaria no outro e abriria o livro em qualquer página e o livro responderia como o outro estaria.

A trilha da peça enaltece os sentimentos ali vividos e traz uma gravação inédita, em fita k7, da música “Mãos Atadas”, escrita por Simone Saback e gravada em 1982 por ela e Cássia Eller.

“Nunca poderia imaginar que uma das minhas músicas pudesse gerar um espetáculo tão lindo! O Brasil inteiro, ou melhor, o mundo precisa ver essa peça!Se todas as pessoas que habitam esse planeta, pudessem ver esse espetáculo, acho que sairiam daqui, com mais amor no coração, com mais esperança em suas vidas! Pois essa peça fala disso: do amor, da amizade, da esperança!E ter amigos é a melhor coisa que existe nessa vida! Vou sair daqui, ligar para o meu melhor amigo e dizer: cara, eu te amo! Se cada um de vocês também fizer isso, a gente vai conseguir juntos, espalhar um pouco de amor por aí!”, declarou Renato Russo, para toda a plateia,ao assistir a montagem de “Aonde está você agora?”, em 1995.

O espetáculo, produzido pela WB Produções, estreou em 2016, já passou por Vitória (ES), Campinas (SP), Goiânia(GO), Lajes(SC), Salvado(BA), Niterói(RJ) e São Luís(MA) e agora chega à São Paulo, para uma curta temporada, de 7 a 30 de julho, no Teatro Itália.

FICHA TÉCNICA:

Texto e Direção: Regiana Antonini

Assistente de Direção: Bruno Seixas

Elenco: Gabriel Chadan, Josie Pessôa e Juliano Laham

Direção de Produção: Wesley Telles

Direção Executiva: Bruna Dornellas

Coordenação do projeto: Letícia Napole

Assistente de Produção: Deivid Andrade

Iluminador e operador de Luz : Cláudio Martani

Preparador vocal e musical:Diego Timbó

Operador de Som/projeção: Reinaldo Lourenço Filho

Cenografia: Truque Produções/ Ruslan Alastair

Trilha Sonora: Bruno Marques

Figurino: Cal Carpenter

Acessórios: Lulu Bijux

Fotos: Nana Moraes

Visagismo: Thiago Medeiros

Imagens e Edição de Vídeo: Geuder Martins

Produção do Vídeo: Dialética Filmes

Videomaker VT Comercial: Johnny Luz

Social Media: Deivid Andrade

Assessoria de Imprensa: Vicente Negrão Assessoria

Direção de arte e design gráfico: Truque Produções

Realização: WB Produções Artísticas

https://www.facebook.com/eoventovailevandotudo/?fref=ts

@eoventovailevando

@eoventoapeca

SERVIÇO

E O VENTO VAI LEVANDO TUDO EMBORA

Com Gabriel Chadan, Josie Pessôa e Juliano Laham
Texto e direção: Regiana Antonini
De 07 a 30 de julho
Sextas às 21h30, sábados às 21h e domingos às 19 h
Duração: 75 min.
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$ 60 | R$ 30 (meia)
Teatro Itália
Sala Drogaria SP
Lotação: 290
Avenida Ipiranga, 344 – Edifício Itália – MetrôRepública
Bilheteria: (11) 3255 1979
Vendas pela internet: www.compreingressos.com
Vendas por telefone: 11 2122-2474
Horário de funcionamento da bilheteria:Segunda- fechado; Terça a domingo – das 15h até o início do espetáculo.

*no dia em que não houver espetáculo a bilheteria funciona até as 19 h.

Acessibilidade total com cadeiras para todas as necessidades especiais, rampas, elevador e banheiro.

Serviço de valet na porta
Ar condicionado
Tem Cafeteria
Fone: 11 3255.1979

Informações para imprensa:
Vicente Negrão Assessoria
Tels.: 11 3064-2563 | 3060-8397
Biba Fonseca – biba@vicentenegrao.com
Leandro Lel Lima – leandro@vicentenegrao.com
Material complementar

Texto e direção

Regiana Antonini

Iniciou sua carreira no Rio de Janeiro e forma-se pela Casa de Artes de Laranjeiras (CAL). Com sua peça “Futuro do Pretérito” ganhou o Prêmio Sharp de Melhor Autora, em 1996. Com o espetáculo “Aonde está Você Agora”, que também leva sua assinatura, obteve enorme sucesso de público e crítica durante anos. Além de atuar e dirigir faz parte do time de roteiristas do programa “Zorra Total”, da TV Globo, sendo autora do bordão “Te conheço?”, que tornou conhecida a atriz Maria Clara Gueiros.

Dirige o grupo de teatro Cia. da Boca de Cena, com 17 jovens atores, que fazem parte de seu curso de dramaturgia e interpretação na Companhia de Teatro Contemporâneo. Em 2010, dirigiu com a companhia seu texto “Claríssima”, inspirado na obra de Clarice Lispector.

Em 20 anos de trabalho como autora, já escreveu 48 textos teatrais, sendo que 32 deles foram montados. Entre eles estão: “Banheiro Feminino”; “Solteira, Casada Viúva, Divorciada”; “Mulheres que Comem Bem”; “Doidas e Santas”, livremente inspirada no livro de crônicas homônimo de Martha Medeiros. Escreveu e dirigiu os infantis “Branca como a Neve” e “Que confusão, hein, seu Bicho Papão?”. Dirigiu os espetáculos “Até que as Sogras no Separem”, “O Terceiro Travesseiro”, “Fala Sério, Mãe!”, “Lembranças de um Sonho”.
Elenco

Gabriel Chadan

Gabriel Chadan é natural de Itu (SP) e ficou nacionalmente conhecido por dar vida ao vilão “Lúcio” na temporada 2010/2011 de “Malhação”. Formando na CAL (Casa de Artes de Laranjeiras), cursou Artes Cênicas na universidade. Em 2016, após uma participação em “Liberdade, Liberdade”, Gabriel estreia em novelas na Rede Globo – “A Lei do Amor”, onde interpretou Robinson Rocha. Gabriel se dedica também ao teatro e ao cinema e, paralelamente às atuações, investe em outra paixão, a música, integrando a banda “Fulanos e Ciclanos”.

Trabalhos na TV:

– A Lei do Amor (Novela, Globo. Personagem: Robinson. 2016)

– Liberdade, Liberdade (Novela, Globo. Personagem: José Joaquim Maia. 2016)

– Amor à Vida (Novela, Globo. Personagem: Adoniran.2013)

-A Favorita (Novela, Globo. Personagem: Wallerson. 2012)

– Malhação (Série, Globo. Antagonista: Lúcio. 2010/2011)

Cinema

– Do céu ao inferno (curta-metragem. Direção de Diego Jardim e Humberto Rosa. 2009)

– Desenrola (longa-metragem. Direção de Rosane Svartman. 2010)

Teatro

– Roleta Russa (Direção de César Baptista. Personagem: Lucas. 2015)

– Garotos (direção: Leandro Goulart. 2010/2011)

– Um Rio chamado Machado (Direção de Márcio Vieira.2009)

– Entre quatro cabeças (Direção de Willian Vitta. 2008)

– E O Vento Vai Levando Tudo Embora (Direção de Regiana Antonini. 2017)
JOSIE PESSÔA

Na Rede Globo, fez grande sucesso em “Malhação”, participou de alguns quadros do humorístico “Zorra Total”, da novela “Fina Estampa” (2011), de Aguinaldo Silva, e do núcleo central da novela “Império” (2014), recebendo o Prêmio de Atriz Revelação dos Melhores do Ano, no “Domingão do Faustão”.

Algumas peças em que atuou:

– 1995- Jezebel, Sem Medo de Ser Feliz, texto e direção de Marco Antonio Rosas

– 1997- Rapunzel, texto e direção de Jorge Azevedo

– 1998- A Grande Virada, texto e direção de Marco Antonio Rosas

– 2000- Nos Bastidores, de Ivan Martins, direção de Andréa Avancini

– 2000- Pardoxo, texto e direção de Marco Antonio Rosas

– 2002- Romeu e Julieta, de Marcos Sinele, a partir da obra de William Shakespeare, direção de Ivan Martins

– 2002- A Fada, de Rinaldo Pimenta, direção de CaêMiofon

– 2002- O Herdeiro Milionário, texto e direção de Andréa Avancini

– 2004- Personalíssima, de Júlio Ficher, direção de Jacqueline Laurence

– 2005- E Agora o que eu faço com Pernil?, de Regina Helena de Paiva, direção de Jacqueline Laurence

– 2007- Ciúmes e Eu te Amo, texto e direção de Regiana Antonini

– 2008- Fala Sério, Mãe!,de Thalita Rebouças, direção de Regiana Antonini

– 2016 – E O vento Vai Levando Tudo Embora, direção de Regiana Antonini

– 2017 – Neura, direção de Regiana Antonini.

– 2017 – Oi! Quer teclar? ,direção de Thiago Greco.


JULIANO LAHAM

Filho de libaneses e criado entre Brasil, Líbano, Qatar e Inglaterra, Juliano Laham ganhou destaque nacional ao fazer uma participação de 36h no BBB16, onde interpretou o libanês Laham, personagem criado para agitar o reality show. O sucesso foi tanto que lhe rendeu elogios da imprensa e convites para diversos trabalhos.

Com uma breve passagem pelo “Esquenta”, onde foi assistente de palco de Regina Casé, o paulista de São José do Rio Preto fez diversos cursos de interpretação, como o da renomada Fátima Toledo. Em seu currículo ainda consta o espetáculo “3 na pista”, com o qual rodou o país em maio e junho de 2016, agora compõe o elenco da peça “E O vento Vai Levando Tudo Embora” com o personagem Gabriel.

O jovem ator foi uma das grandes apostas da atual temporada de “Malhação – Pro Dia Nascer Feliz”.

Aos 24 anos e dois de profissão, foi escolhido por testes para viver o lutador Rômulo nesta temporada da novelinha, assinada por Emanuel Jacobina. Na história, o personagem de poucas condições financeiras batalha para se tornar um grande boxeador.

PRODUÇÃO
WB PRODUÇÕES – 10 anos

Em 2017, a WB Produções-Produtora Cultural sediada em Vitória ES, se consolida como um grande projeto idealizado por Wesley Telles e por Bruna Dornellas ao longo dos últimos 10 anos. A admiração pelas artes cênicas fez com que Wesley e Bruna, quando ainda eram estudantes de Comunicação Social em Rádio e TV, se conhecessem e se envolvessem no grupo de teatro da Faesa (Faculdades Integradas Espírito-Santenses); lá, por meio de uma montagem da obra “Toda nudez será castigada”, Nelson Rodrigues com seu texto permitiu que os dois graduandos experimentassem a arte de atuar e que também se despissem de medos para começar a perceber o universo artístico como um ambiente bastante familiar. Com o passar do tempo, tocar o terceiro sinal e abrir as cortinas dos palcos tornaram-se atividades frequentes. Em 10 anos, a produtora coleciona trabalhos em um portfolio com mais de 200espetáculos apresentados, em mais de 400 sessões realizadas que conquistaram uma média de 240 mil espectadores. Por todos esses motivos, a WB tornou-se referência no setor e foi responsável por levar ao Espírito Santo inúmeras estreias de grandes projetos brasileiros. Dessa forma, o estado começava a consolidar uma projeção nacional com produções culturais em teatro. No percurso dessa conquista, a produtora também possibilitou a divulgação da cultura capixaba em outros estados do país, principalmente a partir do “ES EM CENA” (Mostra de Teatro Capixaba), projeto em que cinco grupos de teatro do estado puderam circular com seus espetáculos por diversas capitais brasileiras. Em 2016, outra honrosa conquista: novos ares de experiência possibilitaram que a idealização de “O vento vai levando tudo embora” – obra escrita de dirigida por Regiana Antonini- lançasse a WB como produtora nacional de teatro ao circular com o espetáculo por várias regiões do Brasil, nesses 10anos além de produzir teatro e levar cultura por várias cidades do Espírito Santo, a WB já passou por inúmeros estados brasileiros como Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão, Rio Grande do Sul, Belo Horizonte, Bahia entre tantos outros.

“MÃOS ATADAS”

“Era primavera de 1978, quando compus ‘Mãos Atadas’, do alto de meus 22 anos. No comecinho dos anos 80, conheci Zélia Duncan – então, com 16 anos – e Cássia Eller, com 18, em seus primeiros passos para o inexorável sucesso. Tive a alegria de ouvi-las cantar ‘Mãos Atadas’ nas noites e nas rodas de violão sob o céu de Brasília. Pretendíamos, um dia, gravar a música juntas, mas, esse dia não chegou a tempo. Porém, em tempo de emocionar Cássia, onde quer que estivesse, Zélia lançou a faixa em seu CD ‘Pré-pós- tudo-bossa- band’, ao lado de Frejat. Posteriormente, gravou a versão solo e, ainda, ao lado de Simone Cigarra, em ‘Amigo é Casa’. A gravação original – base da que está sendo lançada agora – data de 1982. Somos só Cássia e eu, com nossos violões. Foi feita em fita k7, lá em casa. Era pra Cássia não esquecer o que tinha acabado de aprender no violão, numa fase de vários encontros registrados, quando compusemos, juntas, duas canções: ‘Flor do Sol’ (lançada em 2012, quando Cássia completaria 50 anos, comparticipação de Chico Chico, filho dela) e ‘Retrato no Papel’, que ainda permanece inédita – mas, não por muito tempo. Foi o brasiliense Dillo Daraujo – meu maestro, multi-instrumentista e assíduo parceiro musical -quem comandou arranjos e produção desta versão inédita de ‘Mãos Atadas’, que agora lançamos na peça ‘E o vento vai levando tudo embora’, com texto e direção de Regiana Antonini.

Regiana pediu algo ‘novo’ do meu repertório autoral. Mas, quando li o texto, me transportei ao tempo em que compus o blues, aos chiados de um LP, aos perfumes da meninice e aos primeiros amores eternos, como os que permeiam a peça. Fui buscar, em minha própria juventude, o momento ímpar em que cantei com Cássia, como se o tempo não existisse. E, na verdade, não existe. Tocar o coração das gerações que agora despontam nos palcos e nas plateias me faz transcender os tempos, me deixa uma sensação de eternidade que só a arte pode proporcionar. Magia…“
Simone Saback
www.simonesaback.com